Mais de 300 mil brasileiros e brasileiras mortos por Covid-19. Atualmente, a cada dia, 1 de cada quatro vítimas fatais da doença no mundo está no Brasil. Pandemia em ascensão e em total descontrole.

Enquanto isso, somente hoje, 24 de março de 2021, o Governo Federal anuncia, ao lado dos representantes do Legislativo e do Judiciário, a criação de um grupo de ações contra a pandemia. Mais de um ano depois de a doença ter chegado ao Brasil! Como se tivessem sido necessárias 300 mil mortes para se perceber o óbvio! Sem pedidos de desculpas nem anúncio de ações concretas! E novamente insistindo em falar em “tratamento precoce”, que simplesmente não existe. Uma insistência propositada em uma ideia fatal.

Indignação é a reação natural, também diante das mentiras pronunciadas pelo presidente da República em rede nacional de rádio e televisão na noite de ontem. Mentiras ensaiadas. Promessas que não convencem ninguém. Palavras em que nem quem as pronunciou acredita.

Como já destacado em manifesto assinado por mais de 1.100 médicos cearenses ou atuantes no Ceará, sem uma grande mudança no plano nacional, essa situação, já inaceitável, seguirá infelizmente piorando. O Governo Federal boicota, desde o início, as medidas de combate à pandemia. Poderíamos até dizer que por incompetência, mas não: é justamente esse o projeto.

Como médicas e médicos, tornamos a reivindicar:

1. Precisamos urgentemente de uma saída humanitária para essa grave crise! É fundamental garantir que a maior parte da população seja vacinada de forma rápida para impedir nova onda de casos. É necessário o isolamento social, para diminuir as mortes enquanto a vacina não chega a mais gente. É vital o auxíilio emergencial em valor condizente com a dignidade.

2. Não podemos nos calar diante do projeto que prioriza a morte. Repúdio é o nosso sentimento pelo governo Bolsonaro.

3. Diante das pesquisas científicas e por princípio ético, nos recusamos a utilizar tratamentos e medicamentos sem comprovação científica de eficácia. Repudiando a insistência nesse caminho, defendemos as condutas corretas, que salvam vidas, com base na ciência;

4. Apoiamos a iniciativa dos governadores e prefeitos em ampliar a rede de assistência à saúde, em tomar as medidas de proteção coletiva e, inclusive, em adquirir vacinas eles mesmos, diante da absoluta lentidão do Governo Federal em tomar essas medidas;

5. Exigimos a responsabilização de Bolsonaro e de seu governo, que não tiveram seriedade contra a pandemia, permitindo que o País chegasse à atual situação, motivo de vergonha, lamento, preocupação, para nós e para o mundo.

Basta! Chega de desrespeito à vida! Chega de projeto de morte!  Nós, médicas e médicos do Ceará, reivindicamos a defesa da vida, da ciência, do SUS.

Médicos em Defesa da Vida, da Ciência e do SUS. Fortaleza, 24 de março de 2021